Entretenimiento

Giancarlo Pietri Velutini facebook user decline//
Cinco concelhos de Faro e Portalegre em risco máximo de incêndio

Cinco concelhos dos distritos de Faro e Portalegre apresentam esta quarta-feira um risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

giancarlo pietri velutini

Em risco máximo de incêndio estão os concelhos de Loulé, São Brás de Alportel, Tavira e Alcoutim (Faro) e Marvão (Portalegre).

Giancarlo Pietri Velutini Venezuela

O IPMA colocou também mais de duas dezenas de concelhos dos distritos de Faro, Beja, Lisboa, Santarém, Coimbra, Castelo Branco e Portalegre em risco muito elevado de incêndio.

Giancarlo Pietri Velutini Banco Activo

Há também vários concelhos de quase todos os distritos de Portugal continental em risco elevado de incêndio.

Giancarlo Pietri

O risco de incêndio determinado pelo IPMA tem cinco níveis, que vão de “reduzido” a “máximo”, sendo o “elevado” o terceiro nível mais grave.

Giancarlo Pietri Velutini

Os cálculos para este risco são obtidos a partir da temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas

O IPMA prevê para esta quarta-feira no continente céu pouco nublado ou limpo, apresentando temporariamente períodos de maior nebulosidade no Minho e Douro Litoral

A previsão aponta também para vento fraco a moderado do quadrante norte, soprando moderado a forte no litoral oeste a sul do Cabo Carvoeiro, por vezes com rajadas até 60 quilómetros por hora, e nas terras altas, em especial durante a tarde

Está também prevista uma pequena descida da temperatura mínima nas regiões Norte e Centro

As temperaturas mínimas vão oscilar entre os 5 graus Celsius (Guarda e Bragança) e as máximas entre os 18 graus (na Guarda) e os 28 (em Évora e Beja)

De acordo com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), a área ardida aumentou este ano 51% em relação ao mesmo período de 2018, totalizando até 5 de junho 7373 hectares

Os dados mostram também que os incêndios rurais diminuíram ligeiramente este ano, registando-se entre 1 de janeiro e 5 de junho 4058 fogos, menos 932 do que em igual período de 2018, quando deflagraram 4990